sexta-feira, 5 de junho de 2015

Mais e menos

Somar e subtrair. Alterar a realidade criando um novo estado. Mais do que falta. Menos do que sobra. Mais tempo, mais tranquilidade, mais ordem, mais leituras, mais fotos, mais natureza. Menos unhas para cortar (são 100 em cada ronda), menos papas pelo chão, menos choro, menos ecrãs, menos sono. Mais e menos é a diferença de potencial que permite a eletricidade. Entre o pólo positivo e o pólo negativo flui a corrente desejada. No mundo destas nossas crianças há imensos brinquedos. De todas as cores, feitios e comportamentos. Os mais rebeldes emanam sons, piscam-se e contaminam o meio ambiente. Essa personalidade conquistam-na com os mais e menos das pilhas. Das várias pilhas que se gastam e é necessário trocar de quando em vez. "Mais" foi uma das primeiras expressões do Tiago, na aquisição da língua. Uma das primeiras palavras onde viu utilidade prática. Mais, mais comida, mais água. Claro, assertivo, eficaz. No menos, no imediato, leio o frio. O descer da temperatura para lá do zero. O cavalgar dos graus, pelo reino da neve e do gelo adentro. Menos trinta e um graus foi o extremo mais baixo que vivi. Um ambiente transcendente que desafia a nossa fisionomia. O menos dá-nos neve. Um contexto sazonal de fantasia. No silêncio amorfo do exterior. Na adrenalina das pistas. Menos sono, menos ranho, menos imprevistos. Mais saúde, mais energia, mais de nós.


Enviar um comentário